Parque Estadual do Desengano
Fonte:

Parque Estadual do Desengano

23.02.2022- por itpa

Parque Estadual do Desengano

Criado através do decreto estadual nº 250, de 13 de abril de 1970, o Parque Estadual do Desengano é a mais antiga das unidades de conservação estaduais localizada no norte do Estado do Rio de Janeiro. A princípio o Parque contava com uma área de aproximadamente 25 mil hectares, mas foi ampliada em 1979 para 22.400 ha. Seu conjunto de serras é a área de vegetação mais bem conservada da região.

O Parque conta com grande variedade de plantas e animais raros e ameaçados de extinção. As suas cachoeiras e montanhas de grande porte são atrações da unidade de conservação. A Pedra do Desengano é um exemplo turístico famoso do local. Com 1.761 metros de altitude, ela é o ponto culminante do parque. A trilha de acesso possui 3,6 km, apresentando alto grau de dificuldade. Ao chegar ao cume o visitante tem uma visão privilegiada, podendo avistar a Serra Morumbeca, a Serra Grande, o “mar de morros” que compõem o Vale do Paraíba do Sul e, em dias de boa visibilidade, a baixada litorânea.

O ITPA já realizou diversas atividades no local, como receptivo e orientação de visitantes em atrativos; monitoramento e manutenção de trilhas; elaboração e instalação de placas de sinalização; manejo de trilhas com apoio das equipes dos parques e voluntários; entre outras. Confira a lista completa aqui (link).

História

A história do local é marcada pela ocupação dos mais variados povos: teve a presença dos índios Coroados, Purís e Goitacás; portugueses; suíços; alemães e italianos. Durante todo o século XVII a colonização trouxe a intensificação do povoamento da região. Já o auge da produção agrícola ocorreu no século XIX, com grandes plantações de milho, feijão, cana-de-açúcar, mandioca e, principalmente, café.

Porém, a ocupação definitiva da Serra Fluminense só se efetivou com a decadência da mineração do ouro e da prata em Minas Gerais, na primeira metade do século XIX, quando surgiram os municípios de Bom Jardim, Nova Friburgo, Petrópolis, Santa Maria Madalena, entre outros.

Posteriormente, o declínio do café resultou na substituição de seu cultivo por pastagens, o que causou grande impacto ambiental. As áreas de maior declividade e de acesso mais difícil representam o que restou preservado após o declínio da cultura do café. O PED, portanto, é um espaço importante para a conservação da biodiversidade da região.

Hidrologia

Inúmeros rios e riachos têm suas nascentes no Parque Estadual do Desengano. Além de serem atrativos para visitação, pela beleza de suas corredeiras, cachoeiras e poços, são também responsáveis pelo abastecimento dos municípios de Santa Maria Madalena, São Fidélis e Campos dos Goytacazes.

A boa qualidade ambiental das águas se deve ao equilibrado regime de chuvas, à excelente cobertura vegetal e à baixa taxa de ocupação da região. Entre os principais afluentes estão o Ribeirão Água Limpa, Segundo-Norte, Mocotó, Aleluia e Opinião, que através do Rio Imbé deságuam na Lagoa de Cima, e os inúmeros ribeirões, como o Vermelho, Macapá, Santíssimo, Recreio, Itacolomi, Flores, Barra Alegre, entre outros, que contribuem para a bacia do Rio Paraíba do Sul.

Leia também

Reserva biológica do Tinguá

Reserva biológica do Tinguá

Reserva biológica de Araras

Reserva biológica de Araras

Área de proteção ambiental do alto rio Piraí

Área de proteção ambiental do alto rio Piraí