Plano de Restauração Florestal

Em 2009, o ITPA iniciou a elaboração do primeiro Plano de Restauração Florestal de um corredor de biodiversidade a partir de uma escala 1:25.000. Este nível de precisão permite identificar quais as metodologias mais apropriadas para a restauração da Mata Atlântica no Tinguá-Bocaina (CBTB). Isto significa, por exemplo, analisar os locais onde serão necessárias desde ações de isolamento completo para o processo de regeneração natural, até o plantio total de mudas, passando por enriquecimento, controle de espécies invasoras ou instalação de brigadas de contenção de incêndio.

Realizado com financiamento da Conservação Internacional (CI), o projeto que ficará pronto em maio tem o apoio de diversos parceiros, como Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), Instituto Estadual do Ambiente (INEA), The Nature Conservancy (TNC) e Pacto pela Restauração da Mata Atlântica. Os objetivos principais são entender a evolução da cobertura vegetal na região, identificar áreas potenciais para a restauração, caracterizar o potencial de auto-regeneração da Mata Atlântica nestes pontos identificados e ter um planejamento completo para a viabilidade da restauração através do sistema de pagamento por serviços ambientais.

Neste mesmo plano, foi elaborado um mapeamento multi-temporal para investigar os trechos desmatados na região ao longo dos últimos 20 anos. Este produto nos permite saber quais as áreas consideradas elegíveis para projetos de sequestro de carbono.

Será realizado também o levantamento do custo de oportunidade da terra nesta região. Assim, será possível estimar quanto custará um programa de pagamento por serviços ambientais para toda a região.

O produto estará pronto em maio de 2010.