Área de Proteção Ambiental (APA) Rio Santana

De acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), em seu artigo 15, uma Área de Preservação Ambiental (APA) é “em geral extensa, com um certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem estar das populações humanas, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais.”

A APA rio Santana está situada em todo o alto e médio cursos do rio homônimo, o principal formador do rio Guandu, ao lado de Ribeirão das Lajes. Os seus principais objetivos, delimitados desde a sua criação, em 2004, são proteger as riquezas naturais e os ecossistemas locais do impacto das atividades humanas, além de manter a qualidade da água que verte do rio Guandu, responsável por abastecer cerca de oito milhões de pessoas na região metropolitana do Rio de Janeiro.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a região é considerada de alta prioridade para a conservação. Por abranger grande parte do entorno das Reservas Biológicas do Tinguá e Araras em seus 12.764 hectares, a APA se consolidou como uma zona de amortecimento das mesmas. Aliás, o Plano de gestão da Rebio Tinguá já indicava o terreno como fundamental para a manutenção dos recursos hídricos. O ITPA foi o responsável pelo Plano de Gestão da APA rio Santana, já concluído, assim como toda a mobilização em favor da criação da área protegida.

Aspectos físicos

A região da APA do Rio Santana tem influência direta das bacias aéreas Santana e Tinguá, responsável pelo potencial de geração de serviços ambientais na unidade. De acordo com estudo desenvolvido pelo Laboratório de Manejo de Bacias Hidrográficas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com apoio do Programa Corredor de Biodiversidade Tinguá-Bocaina, as áreas com maior potencial de prestação do serviço ambiental Interceptação Vertical podem fornecer o aporte de até 40% a mais de água nos sistemas hídricos da região abrangida pelo Corredor. Caso, importante citar, estejam com sua cobertura vegetal bem conservada. Na Área de Preservação Ambiental, é fundamental priorizar a proteção de porções com florestas e a restauração de terrenos  sem qualquer árvore ou em estágio inicial de sucessão.

GALERIA DE FOTOS
DOCUMENTOS