Gestão do Uso Público nos Parques Estaduais do Rio de Janeiro

Realizado em parceria com o Instituto Estadual do Ambiente – INEA o ITPA executa o projeto Consolidação da Gestão do Uso Público nas Unidades de Conservação Estaduais do Estado do Rio de Janeiro.

O projeto tem por objetivo consolidar as metas de uso público de 12 UCs Estaduais – Parque Estadual dos Três Picos (PETP), Parque Estadual Serra da Tiririca (PESET), Parque Estadual Pedra Branca (PEPB), Parque Estadual Desengano (PED), Parque Estadual Ilha Grande (PEIG), Parque Estadual Cunhambebe (PEC), Parque Estadual Serra da Concórdia (PESC), Parque Estadual Costa do Sol (PECS), Parque Estadual Pedra Selada (PEPS), Parque Estadual Mendanha (PEM), Parque Estadual Lagoa do Açú (PELAG) e Reserva Ecológica Estadual da Juatinga (REEJ) – por meio do fortalecimento dos instrumentos de gestão da visitação nas áreas naturais protegidas e da interface com seu entorno.

Para cumprir as metas a equipe do ITPA dá suporte às equipes de 12 unidades de conservação de proteção integral (de acordo com conceito definido pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o SNUC). São elas:

Os objetivos específicos, por sua vez, são:

  • Executar ações de apoio à consolidação dos programas de visitação de uso público das 12 UCs;
  • Desenvolver ações que permitam atingir as metas de incremento e finalidade da visitação;
  • Executar atividades de apoio à integração dos parques em roteiros turísticos regionais;
  • Desenvolver trabalhos de apoio à concretização de uma rede de trilhas (implantada e sinalizada)no Estado do Rio de Janeiro;
  • Realizar ações de apoio ao desenvolvimento de atividades potenciais de uso público nas UCs;
  • Apoiar as ações voltadas ao conhecimento das trilhas e atrativos dos parques estaduais;
  • Ampliar as ações de fortalecimento e implantação da gestão do uso público no Parque Estadualda Pedra Selada, Parque Estadual Lagoa do Açu e Parque Estadual do Mendanha;
  • Executar atividades de apoio ao processo de inserção e participação efetiva das comunidades do entorno das UCs;
  • Contribuir com ações direcionadas às atividades de educação ambiental;
  • Desenvolver ações de apoio com vistas a possibilitar a utilização dos dados de uso público de cada UCs como referência à gestão da conservação da biodiversidade no Estado do Rio de Janeiro,pelo Inea.

Gestão e Complexidade

O tema “uso público” é complexo por natureza. Para que um parque estadual, por exemplo, tenha uma ampla, funcional e bem sucedida gestão de uso público, é preciso trabalhar uma série de componentes, tais como planejamento e manejo de trilhas, voluntariado, guias e condutores de visitantes, educação ambiental, atendimento ao público, monitoramento de impactos da visitação, planos de contingência, diagnósticos, entre tantos outros. Para tanto, a sistematização de dados, geração de informações e um planejamento estratégico são de fundamental importância.

Além do momento econômico e institucional propício para a promoção da visitação, os parques estaduais situam-se nos cinco destinos indutores do turismo regional definidos pelo Ministério do Turismo (MTur) para o Rio de Janeiro: Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Petrópolis, Paraty e Armação de Búzios.

Principais atividades realizadas:

– Realização de cursos de condutores de visitantes em comunidades do entorno das unidades de conservação;

– Implantação de Sistemas de Contagem Automática de visitantes em trilhas;

– Manejo e sinalização de trilhas;

– Elaboração de peças de comunicação, como: mapas turísticos, guias de aves para observadores de aves, site para visitantes e mapas interativos online dos parques;

– Implantação de banco de dados espacial – módulo uso público/gestão da visitação para unidades de conservação

– Implantação e acompanhamento do Planejamento Estratégico para gestão do uso público nas UCs;

– Implantação de projetos-pilotos do Programa de Voluntariado no PESET e PEPB;

– Realização de diagnósticos de potencial turístico para áreas protegidas e interface com municípios;

DOCUMENTOS