Equipe do ITPA chega a 12 UCs Estaduais

O ITPA iniciou há três meses, em parceria com o Instituto Estadual do Ambiente – INEA, o projeto “Fortalecimento e implantação da gestão do Uso Público para o incremento da visitação nos Parques Estaduais do Rio de Janeiro”. Os focos para as atividades do projeto serão planejamento (que envolve estratégia, integração com planos de manejo e emergenciais, construção de projetos), operacional (contratação e capacitação de recursos humanos) e gestão e produção de conhecimento (responsável pela sistematização contínua de banco de dados, produção de manuais e instrumentos legais).

“O objetivo geral deste projeto é proporcionar a visitação segura e de qualidade nos parques estaduais do Rio de Janeiro, a partir da implantação de metas estratégicas de gestão do uso público em nível institucional que promovam essas unidades de conservação como destino turístico e indutores de desenvolvimento local”, explica Alexandre Lorenzetto, coordenador geral do projeto, que trabalha em especial com os chamados “Parques da Copa 2014”: Parques Estaduais dos Três Picos, Pedra Branca e Tiririca.
As UCs atendidas pelo projeto são:

Parque Estadual da Pedra Branca – PEPB
Parque Estadual da Serra da Tiririca – PESET

Parque Estadual dos Três Picos – PETP
Parque Estadual da Costa do Sol – PECS
Parque Estadual Cunhambebe – PEC
Parque Estadual da Ilha Grande – PEIG
Parque Estadual da Serra da Concórdia – PESC
Parque Estadual do Desengano – PED
Reserva Ecológica da Juatinga – REJ
Reserva Biológica de Araras – RBA
Reserva Biológica de Guaratiba – RBG
Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba – EEEG

O projeto, de acordo com previsões do INEA,vem em excelente hora, uma vez que a demanda por visitação em áreas naturais protegidas pode até triplicar nos próximos anos em função dos grandes eventos que chegarão ao Brasil e, em especial, ao Rio de Janeiro, casos da Copa das Confederações (2013), Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016).

Outros objetivos das atividades, que ainda terão duração de mais 9 meses, são prover as Unidades de Conservação de recursos operacionais, bem como capacitação adequada; criar um marco regulatório institucional para concessões, permissões e autorizações de serviços de apoio à visitação nos parques e levantar informações, oportunidades e desafios.

O projeto foi obtido por meio de concorrência pública do Fundo Mata Atlântica, administrado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade.